Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Era uma vez...e foram felizes para sempre!

No fundo todos gostamos de romances e finais felizes! Aqui ficam pequenas partilhas das emoções que vivemos até ao momento do beijo que nos desperta!

Era uma vez...e foram felizes para sempre!

No fundo todos gostamos de romances e finais felizes! Aqui ficam pequenas partilhas das emoções que vivemos até ao momento do beijo que nos desperta!

Uma vida inteira

image.jpg

Se lhes perguntarem à quanto tempo estão juntos, seguramente irão responder: "uma vida inteira"!

Não por ser cliché ou para impressionar mas porque é verdade. Não têm memória de existirem sem o outro ao lado, estão juntos desde o tempo em que faziam planos carregados da inocência própria de quem não conhece a vida.

 

A vida de cada um entrelaçara-se de tal forma na do outro que não era possível as dissociar. Era um coração, uma cabeça mas 4 braços para se abraçarem!

Apesar das muitas rugas e cabelos brancos, ainda é no peito dele que se sente em casa, em paz!

 

A vida não fora fácil mas mesmo nos momentos mais complicados nunca se largaram e sabiam perfeitamente que só estando um com o outro seria possível ultrapassar qualquer problema. Só ele a conhecia totalmente, talvez de uma forma que nem ela mesmo se conhecesse. Sabia que quando andava calada era porque algo a preocupava, que quando chegava junto dele e mordia o lábio de baixo, teria uma novidade que ele iria adorar.

Era o único que conhecia o ritual religiosamente cumprido todas as noites antes de dormir, de ler três páginas do seu livro. Nem mais nem menos. Dizia que uma ou duas não era o suficiente para sentir que estava a ler e que a partir da quarta entusiasmava-se, já não lhe apetecia parar e sabia muito bem que ele não consegue dormir de luz acesa.

Os filhos e os netos diziam na brincadeira que tinham sido feitos um para outro. E tinham mesmo, ou pelo menos, ela acreditava fervorosamente nessa ideia. Dizia que se assim não fosse, o coração dela não seria capaz de aguentar tanto amor!

 

Ele não perdera o hábito de mesmo rodeado de muita gente, lhe ir sussurrando docilmente ao ouvido, declarações e juras de amor!

Ela não saía de casa sem lhe dar um beijinho.

Sabia que nem todas as pessoas tiveram a sorte que ela tivera e não ia desperdiçar a sua!

Estava ali o maior tesouro que alguma vez poderia ter descoberto na vida e fazia de continuar a cuidá-lo como tal.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.